SEALINE - South African Angling and Boating Community Home 
Home Recent Search search Menu menu Not logged in - Login | Register


 Moderated by: Enigma, Emperor Page:  First Page Previous Page  1  2  3  4   
New Topic Reply Printer Friendly
Property in Mozambique  Rating:  Rating
 
AuthorPost
 Posted: Mon Jan 27th, 2014 08:53 pm
  PM Quote Reply
61st Post
wowbaas
Member
 

Joined: Sat May 3rd, 2008
Location:  
Posts: 19
Equipment: Stella 2000, 50kg spaceprint braid, Shimano 9ft rod
Best Catch: 25 kg GT
Favorite Fishing Spot: Santa Maria Mozambique
Boat: Kosi Cat 16 , 50 Yamis
Club: 
Status: 
Offline
Mana: 
Another angle

I'll stop now, I am just very chuffed, especially after the hell we went through to get the place back.

Attachment: DSC_0003 (2).jpg (Downloaded 197 times)

Back To Top PM Quote Reply  

 Posted: Tue Jan 28th, 2014 11:59 am
  PM Quote Reply
62nd Post
Strepie
Sealiner


Joined: Sun Jul 22nd, 2007
Location: Durbanville, South Africa
Posts: 6555
Equipment: PENN RULES!
Best Catch: PENN RULES!
Favorite Fishing Spot: PENN RULES!
Boat: I wish
Club: SSEC:WC
Status: 
Offline
Mana: 
Wow!

Back To Top PM Quote Reply

 Posted: Tue Jan 28th, 2014 12:44 pm
  PM Quote Reply
63rd Post
Ant86
Sealiner


Joined: Mon Jan 25th, 2010
Location: JHB, South Africa
Posts: 1334
Equipment: A tin of Lucky Star and a bottle of Rum
Best Catch: Czech Nymph, safely shagged and released
Favorite Fishing Spot: Billy the Bums
Boat: 7ft Jose Cuervo Lido
Club: .
Status: 
Offline
Mana: 
I see the "fake" website is still up and running they are also running several adds on the web

http://mylowveld.com/classifieds/services/travel-agents-tours/ponta-torres-mozambique-bookings_i184

Back To Top PM Quote Reply  

 Posted: Tue Jan 28th, 2014 01:28 pm
  PM Quote Reply
64th Post
wowbaas
Member
 

Joined: Sat May 3rd, 2008
Location:  
Posts: 19
Equipment: Stella 2000, 50kg spaceprint braid, Shimano 9ft rod
Best Catch: 25 kg GT
Favorite Fishing Spot: Santa Maria Mozambique
Boat: Kosi Cat 16 , 50 Yamis
Club: 
Status: 
Offline
Mana: 
Yes for us it's a big problem. Desember we had a double booking from their side which caused great annoyance. Also they convince people to pay the money into their private accounts.

They also give dissinformation out about the facilities, road condition and what not. One guy was told his brand new 7.5m Ace Glider could be towed through the Elephant reserve. They did 5km's I think and then turned back with severe damage to the boat.

We are taking legal action against them now. We have also decided not to honor any new bookings made by them, so from 1 Jan 2014 if you book through them and or pay them, you will have serious problems.

Again: The official site is http://www.nhonguanelodge.co.za

 

Back To Top PM Quote Reply

 Posted: Tue Jan 28th, 2014 01:39 pm
  PM Quote Reply
65th Post
Kipi die kingfisher
Senior Member


Joined: Thu Sep 30th, 2010
Location: Pretoria, South Africa
Posts: 918
Equipment: Saltwater - Blue Marlin G3 with a Torium 20 and ...
Best Catch: Saltwater - Blue Marlin G3 with a Torium 20 and ...Saltwater - Kob 7kg, Raggie 168kg, bronzie 141kg. Freshwater - ...
Favorite Fishing Spot: Saltwater - Blue Marlin G3 with a Torium 20 and ...Saltwater - Kob 7kg, Raggie 168kg, bronzie 141kg. Freshwater - ...Saltwater - Vleesbaai, St Francis, Macassar. Freshwater - Rust du ...
Boat: My trekker tire
Club: Inland Sharks
Status: 
Offline
Mana: 
wowbaas daai plek lyk AWESOME. Baie geluk, eedag as ek groot is wil ek ook so plekkie langs die see hê.

Back To Top PM Quote Reply  

 Posted: Thu Feb 13th, 2014 02:51 pm
  PM Quote Reply
66th Post
benniejordaan
Offshore Moderator


Joined: Wed Nov 14th, 2007
Location: Durban, South Africa
Posts: 12416
Equipment: A few bits and pieces, nothing special.
Best Catch: Marlin
Favorite Fishing Spot: East coast
Boat: Seacat 520
Club: Fynnlands
Status: 
Offline
Mana: 
wowbaas wrote:
Good news regarding happenings in Santa Maria.

 

We are winning the war at Nhonguane Lodge.

 

The first success was when the holding company of Nhonguane Lodge was liquidated in a South African Court. The holding company is now under curatorship.

 

I myself had great success in the Mozambican courts. I got awarded a court order giving me back possession of my house. The other investors are going to follow suit, and soon all the houses will be back in the possession of the true owners.

 

We went there on 30 May 2013, in an almost military operation, over land and sea, with representatives of the court, police, local chiefs and our advogado.

 

We received some resistance in typical fashion with a lot of excuses, explanations and bullshit  being told, but after I applied a bolt cutter to the first lock it was fait accompli. They didn’t even bother to cut the water and electricity and we stayed for 2 nights.

 

I changed all locks and Bheki Nhaka, the big skipper, is now a resident security guard in the house to prevent break- ins.

 

Sad news however is that the house has been ransacked, there is almost nothing left. Freezers, microwave, even those heavy beds made on order out of ironwood have been stolen. Hundreds of thousands worth of furniture and personal items. Also 2 of my quadbikes, kyaks, windsurfers and of course all my fishing tackle. Even the Bibles have been stolen.

 

How low can you go?

 

I have opened a huge case of theft against the perpetrators for all this.

 

Anybody who wants to know more of what really is happening in Santa Maria can contact the home-owners:

Jan Smit (court case pending) 0825781404
Jaco van Heerden (court case pending)  0723117877

Gert  Delport 0832278163
Piet du Toit  0823883322
Trynie du Plessis 0828805628

 

Attached is a photograph of the court order being delivered and signed by everybody except the bedraggled opposing party who refused to sign.

 

Also attached is a photograph of myself with a recent newspaper for the non believers, some new locks and an empty bottle or two.

Smittie,

Big congratulation on this. I'm so stoked for you guys, all the best. You have already done incredible work there... Cant wait to visit.

Cheers
Bennie

Back To Top PM Quote Reply

 Posted: Mon Feb 17th, 2014 11:19 am
  PM Quote Reply
67th Post
wowbaas
Member
 

Joined: Sat May 3rd, 2008
Location:  
Posts: 19
Equipment: Stella 2000, 50kg spaceprint braid, Shimano 9ft rod
Best Catch: 25 kg GT
Favorite Fishing Spot: Santa Maria Mozambique
Boat: Kosi Cat 16 , 50 Yamis
Club: 
Status: 
Offline
Mana: 
Thanks Bennie!

I was there yet again two weeks ago to finalize our deal on Inhaca. If all goes well were going to build some serious nice accommodation.

We plan to build 3 2bedroom chalets with a lapa/bar/kitchen/braai area servicing them. There is enough space to duplicate these 'camps' about 6 times.

This is a long term project though. I've got six years till Ingrid finishes school, then I want to go stay there permanently till I become infirm and disorderly.

We will be building those 'camps' say at a pace of one per year, so 6 years are good.

Anyway, I am seriously looking forward to have you guys as neighbors December.

In between the stolen stuff I recovered I discovered those ss swivels you sent me. Early December may be a good time to start using them!

Back To Top PM Quote Reply  

 Posted: Fri Jul 11th, 2014 12:46 am
  PM Quote Reply
68th Post
Codemixer
Member
 

Joined: Thu Jul 10th, 2014
Location: Manguzi, South Africa
Posts: 1
Equipment: Any rod and reel
Best Catch: 3kg Rock Salmon
Favorite Fishing Spot: Kosi Bay Mouth
Boat: Cat
Club: No
Status: 
Offline
Mana: 
It is with interest that I follow all the politics about this Nhonguane Lodge saga and a supposed criminal activity of a Mr. Anton de Wet. It is further interesting that you as the new owners, are using a domain name which belongs to Mr de Wet without a doubt, "Ponta Torres", as if it is your own.

This is the way I see it and I will report as much as I can from a legal information gathered perspective, but also from information making the rounds in public domain. My main activity here is research of facts, please indulge me if you are honest.

Whatever I write in this comment, is the actions of players both sides of the coin.

I only report about the actions before and after the investors took a legal track which was actually undoubtedly an unscrupulous advantage of a envelope which one would expect of someone who has improper intentions. If the owners of this site have comments, please do not give us (the public) reasons, just tell the public why you had to take the contractor down, in order to establish your own monetary Image. To give a million reasons, would only add to protect your position, and we know you will. That type response is a given. Since you still have claims and legal action against Mr. de Wet, could you enlighten the public why you have a determined quest to bring the house down on him? Could you please amplify/simplify his criminal activity in public? This man is well known is certain sectors of the South coast communities and your sail to discredit him has significant impact on his future. If you say he is a criminal, as I see in your "The Owners and some owner's son's" post on various websites, I think it is in public interest that you secure your evidence and screen your facts about this. I just have to Google to see how many accreditation of you have him credited as a criminal. To run amok on the Web and play a blaming game, which could be labeled "Criman Injuria", it hardly seems that your actions are valid and I would add that it does not add credit to your public portfolio. Since I have hard facts about the process you used to engrave your own appearance as "owners" of the lodge, these facts points to you, which could suggest that you are in deceit with the process you used to activate your "Ownership", I would be very tempted to say that your actions are violating certain rights between shareholders/friends/Investors/contractors, and that you had no second thoughts about taking action which you knew was an act of disgrace.

Tell us if your units was poor quality. Did the contractor rob you blindfolded? In other words, steal your money, or did you pay for a house which was beautifully crafted and which has awesome visual qualities. Was there any esthetic qualities that you think he did not surface with? In other words did he promise a Shamfuta crafted table (Expensive hard wood/lumber) and give you Pine quality? Did he sell you an investment of which the legal framework was not honest and up to date?. (I know the people who did his paperwork and also have evidence that all his legal papers with the Mozambique government was up to date and paid for) Was his administration poor and who was to blame for that? Did he not have title to land or did he not pay his labor? Did he post anything on his web pages which you think was uniquely untrue of false? Do you think you paid too much for this prime property?

If you say no to many of these questions I would advise visitors to look for accommodation elsewhere because your rates would be excessive for the downgraded junk yard you are selling accommodation into, and your attitude was not admirable.

I think from information gathered, there has been foul play by the investors and since their foul play made them the new owners, they probably think nobody else will recognize their acts and that the coerced indulgence of their actions will go unnoticed. I do not have any ties with any of the parties so the end result does not interpret any profit for my purse and I inherit nothing worthwhile. But if you shout from roof tops that someone is a predator and guilty of some sin, your sins should also come to the table. I do not see any way out for such an argument, except to bring it to public attention. If you found him, de Wet, guilty on statutory principals and if you had respect for your own way of approach, you would not use a loop hole to take him down without his knowledge. This is an act of cowardice really. Please give us your side of the story but keep in mind that that would be tested. I'm not about to let you explain without a seal of recognition. The public has a right to know everything, not only that de Wet is a criminal. There might have been criminal intent on your side too, which you are shielding, and that has to be determined in public. If you think this type question is incorrect tell us why the Oscar Pistorius is broadcasted in public interest. If you think you have the right to not tell the public all the information displayed here, I will screen this message on every board where you discredit de Wet, until all the facts are on the table. The fact that you made sure that the Mozambican legislators act on your South African solicitors advise, to remove de Wet from office, does not mean that de Wet is guilty of any sin you claim. It only disperse the gravity of the legal system. There is always two sides to a story isn't there?

At this time I think it is in public domain that you give us the facts of your actions and behind the scene dark activities and pursuits in the South African courts, about a CC which you disabled by virtue of a solvency claim, using that holding CC of Mr de Wet, to disadvantage ownership by Mr de Wet, without him knowing or realizing that you are repudiating his solvency and knowing that Mr de Wet would not get his legal papers. (His girlfriend sided with you after a domestic dispute and gave you this important info, that he changed address without changing that with all relative legal institutions)

That is all for now.

Last edited on Fri Jul 11th, 2014 12:47 am by Codemixer

Back To Top PM Quote Reply

 Posted: Tue Jul 29th, 2014 01:21 pm
  PM Quote Reply
69th Post
Carlos Nando
Member
 

Joined: Mon Jul 28th, 2014
Location: Johannesburg, South Africa
Posts: 6
Equipment: none
Best Catch: none
Favorite Fishing Spot: none
Boat: Infanta 7.5
Club: None
Status: 
Offline
Mana: 
I have been to a lot of places in Moz. From Ponta, Macaneta, Bilene etc all the way up to Vilanculos. This year, because of political problems in Moz, we decided to stay south, and in Jan 2014 went to Pestana lodge in Inhaca. In May, we went to Nhonguane lodge in Santa Maria. We stayed at the "Smit House" and we had a good time.

Initially, we were planning on going by boat from Maputo to Nhonguane, but because of the tides, and other unknowns, we decided last minute to go by car.We were not sure which way to go (251 to Boane, or EN2 by Matola to Boane, or the ferry to Catembe). We decided to take 251 to Boane (turnoff straight after the 1st toll gate in Moz). It apperas we decided on the worse option. This road is really bad, and it took us forever to get to Boane (approx 3hrs to do 60km). We crossed the boarder at around 10am, and we got to Bela Vista late afternoon. We were not sure if we were going to get to the Elephant park gate in time, so we decided to stay the night in Bela Vista.

I took my Guzzler (Land Cruiser 200 V8 Petrol - it does just over 600km on a tank - 160L), and traveling in such roads I was probably doing 400km to a tank. The LC was also badly scrtached all over the sides, due to the limited bush clearance through the Elephant park, while driving to Santa Maria, mainly because the LC 200 is wider than most cars.

While at Santa Maria, we considered the possibility of investing in property there. We had a look at the houses Bernie was selling, and since have heard confliting reports icw buying from Bernie. I also became aware of the Nhonguane problems while I was there, and heard of similar problems all over Moz.

I would like to own a house in the Santa Maria / Inhaca area (or a share of it) that I can go there on a regular basis. Until now, I always land up going off season, as everything is fully booked during peak times.

Does anyone know who are the best people to contact regarding property / developments in the Santa Maria / Inhaca area? What are the costs of ownershipp (levies, taxes, management, maintenace, etc) ? I wellcome everyones opinion and comments.

 

 

Back To Top PM Quote Reply  

 Posted: Tue Jul 29th, 2014 02:41 pm
  PM Quote Reply
70th Post
wowbaas
Member
 

Joined: Sat May 3rd, 2008
Location:  
Posts: 19
Equipment: Stella 2000, 50kg spaceprint braid, Shimano 9ft rod
Best Catch: 25 kg GT
Favorite Fishing Spot: Santa Maria Mozambique
Boat: Kosi Cat 16 , 50 Yamis
Club: 
Status: 
Offline
Mana: 
Hi Carlos!

Yup the Boane road is a terror. There are better routes through Goba and Namahasha, the two Swazi border posts.

Glad you enjoyed the stay in our house. It has been severely upgraded.

If you scratch a Cruiser it's normally due to pilot error induced by 2M's

Regarding property: Read the posts above very carefully before you decide. As far as I know all is well with the other developers in the area, I haven't heard any new horror stories.

Back To Top PM Quote Reply

 Posted: Tue Jul 29th, 2014 11:07 pm
  PM Quote Reply
71st Post
Carlos Nando
Member
 

Joined: Mon Jul 28th, 2014
Location: Johannesburg, South Africa
Posts: 6
Equipment: none
Best Catch: none
Favorite Fishing Spot: none
Boat: Infanta 7.5
Club: None
Status: 
Offline
Mana: 
Hi wowbaas,

Thank you for the reply.
No, No 2M, Laurentina or anything similar.
I keep my head clear when I drive. I tried to center the cruiser in the narrow roads, but not always possible. The tyres did not help either - road tyres with hardly any grooves. I dropped the pressure down to around 1.5bar, but I felt the LC wobbling quite a bit maybe because the LC width was larger than the V of the roads?? Or maybe i am just a bad driver !!
Anyway, in the beginning I got worried, but later I just ignore it. I was not going to allow that to spoil the trip.
The company in the car was great, and we were constantly talking to each other, and that also kept my concentration away from the road.

You have a nice house there. Good position, and well designed. Do you often drive there or always use a boat? Which route do you take? Is the Namahacha road any good? Last time I used it was some 5 years back, and decided not to use it again, as the swazi roads are full of animals, with a 80km/hr speed limit most of the time. It took quite a few hours to cross it. After the border, the roads were ok with occasional potholes.

Do you have contact details of the developers in Santa Maria? Any recommendations? I have heard that Jose does good work there, but I think he is just a builder??

I have read all the threads about Moz investment, but very rarely does anyone post good news. Most only talk about what went wrong, and deals that went well are seldom mentioned??

Back To Top PM Quote Reply  

 Posted: Wed Jul 30th, 2014 09:06 am
  PM Quote Reply
72nd Post
Malboer
Member


Joined: Mon Nov 18th, 2013
Location: Matola, Mozambique
Posts: 341
Equipment: Daiwa Sealine sl Reels, Shimano Beastmaster rods
Best Catch:  YFT 20KG Couta 20Kg GT 15KG
Favorite Fishing Spot:  Millibangalala
Boat: Stealth Pro fisha 575
Club: Malboer @ Wahoo.please
Status: 
Offline
Mana: 
Hi Carlos

There are Thousands of South Africans with property invested In Moz the reason you dont hear about the good ones is just that there is no problems if you follow the right procedure. If you get property with a shady deal be sure it will come and haunt you in the long run.
Cheers
Malboer

Back To Top PM Quote Reply

 Posted: Wed Jul 30th, 2014 10:42 am
  PM Quote Reply
73rd Post
Carlos Nando
Member
 

Joined: Mon Jul 28th, 2014
Location: Johannesburg, South Africa
Posts: 6
Equipment: none
Best Catch: none
Favorite Fishing Spot: none
Boat: Infanta 7.5
Club: None
Status: 
Offline
Mana: 
Hi Malboer
You are right. That is what I am trying to avoid - getting into shady deals.
Best will be to deal with people/companies that have good references.

Back To Top PM Quote Reply  

 Posted: Mon Aug 4th, 2014 12:22 am
  PM Quote Reply
74th Post
Carlos Nando
Member
 

Joined: Mon Jul 28th, 2014
Location: Johannesburg, South Africa
Posts: 6
Equipment: none
Best Catch: none
Favorite Fishing Spot: none
Boat: Infanta 7.5
Club: None
Status: 
Offline
Mana: 
Looks like buying property in Moz, is a risky business.
Even with a legal DUAT tourism project, one still needs to know the conditions of the DUAT.

I have been searching and found cases where the government have repossessed properties because they failed to meet the agreed DUAT requirements - ie build the agreed number of houses in the allocated time period, as in the case of the "La Perla" development in Bilene, and a certain Bruwer, which a lot of people say he was acting illegally, however a Moz report that I found, tell a more complicated story.

Basically, If a developer fails to meet the conditions under which the DUAT was granted, the DUAT can be revoked, and the development attached - ie government takes back the land and its improvements.

All of the "La Perla" investors lost their money.
The article claims that even though the developer (Bruwer) won the court case to have the DUAT cancellation set aside, the Gaza government then took the case to the supreme court and proceeded with the attachment of the land and improvements, before the supreme court ruled on the matter.
Maybe there were other reasons.

It appear that Malate (Bruwer Moz partner, and current ambassador in Japan), had the land for 5 years but built nothing, and when Bruwer and Malate got together they only built approx 10 houses, and they were supposed to have built 51 houses, as per DUAT conditions.

When the government officials were questioned by the Moz reporters, they refused to comment, which is worrying.

This means that before one buys into any development, one needs to read all the development documents carefully.

See below the article in Portuguese



Governo usurpa funções dos Tribunais

Numa atitude de arrogância e despotismo o executivo de Gaza antecipou-se aos tribunais e mandou executar uma acção que aguarda decisão do TS e TA

Por Raul Senda (texto) e Naíta Ussene (fotos)

O Governo da província de Gaza acaba de “pontapear” o preceito constitucional que define o princípio de separação de poderes, e ordenou a execução da ordem de encerramento de uma estância turística na praia de Bilene onde é protagonista Belmiro Malate, o actual embaixador moçambicano no Japão, mesmo antes da decisão judicial das instâncias onde o litígio está a ser dirimido.

Trata-se de uma sociedade denominada “À Pérola Lda” que na última sexta-feira, 15 de Julho, viu os seus acessos barrados, portas trancadas e todos os trabalhadores escorraçados para fora do complexo. Os actos foram protagonizados por técnicos das direcções provinciais de Agricultura e de Turismo acompanhados por um forte contingente policial constituído por agentes da Força de Intervenção Rápida e da polícia de protecção.

A ordem do encerramento do complexo “La Perla” verifica-se numa altura em que o litígio envolvendo o governo de Gaza e os sócios de “À Pérola Lda” está a correr os seus trâmites legais no Tribunal Supremo (TS), bem como no Tribunal Administrativo (TA). Nessa senda, o governo de Gaza preferiu antecipar-se às instâncias competentes para a resolução daquele tipo de litígios e mandou os sócios do complexo La Perla abandonarem o empreendimento, desperdiçando um investimento de cerca de cinco milhões de randes, ou seja, 20 milhões de meticais e atirando mais de três dezenas de moçambicanos para o desemprego.
Génese do imbróglio

O “filme”, cujo desenvolvimento está a ser dramático nos últimos dias, começa em Abril de 1997 quando uma sociedade denominada Invesco Lda, representada por Belmiro Malate (Actual embaixador de Moçambique no Japão) requereu junto ao governo de Gaza, a concessão de uma parcela de terra para o desenvolvimento de actividades turísticas no posto Administrativo da Praia de Bilene.

Soube o SAVANA que o pedido teve parecer favorável e o governo de Gaza concedeu dois hectares à sociedade Invesco Lda para fins acima citados.
Em 2004, a Invesco volta a requerer ao governador da província a mudança do registo do Direito de Uso e Aproveitamento de Terra (DUAT) a favor da Sociedade À Pérola Lda. Mais uma vez, o pedido teve resposta positiva e os Serviços Provinciais de Geografia e Cadastro procederam a mudança do DUAT.
Consta-nos que o plano de exploração submetido ao governo de Gaza bem como ao Ministério de Comércio e Turismo (MICTUR), na altura, previa a demarcação e preparação do terreno sem pôr em causa a natureza, construção de 51 casas entre outras benfeitorias em prol da indústria turística.

Em Julho de 2005, o Estado moçambicano, personificado pela direcção Provincial de Agricultura de Gaza (DPAG), ordenou uma vistoria à zona e constatou que, desde 1997 até aquele momento (2005), os promotores da iniciativa ainda não tinham cumprido com as suas obrigações mormente, a demarcação do terreno, tinham erguido apenas 10 casas, faltando 41 e o projecto inicial tinha sido totalmente alterado.

Dessa forma, a vistoria concluiu que o plano de exploração não tinha sido cumprido (violação do número 1 do artigo 18 da lei de Terras) bem como o incumprimento de prazos de demarcação, facto que violava grosseiramente o artigo 30 do Regulamento da lei de Terras.

Lembre-se que a Invesco Lda de Belmiro Malate ficou com o DUAT durante sete anos (1997 - 2004) sem fazer nenhum investimento devido a dificuldades financeiras. Para salvar-se optou por constituir nova sociedade com um cidadão sul-africano de nome Abraham Bruwer. Foi dessa operação que surgiu a sociedade À Pérola Lda.
As 10 casas que a vistoria da direcção provincial de Agricultura foi encontrar em 2005 resultaram do investimento da sociedade À Pérola Lda.

Revogação do DUAT

Face aos dados constatados na visita ao terreno concedido À Pérola Lda, os técnicos de Geografia e Cadastro de Gaza propuseram às entidades competentes a revogação do DUAT por motivos acima referidos para além de dar o tratamento devido aos bens inamovíveis erguidos na parcela em causa.
Perante estes factos e de acordo com o relatório dos técnicos, o então director provincial de Agricultura, Mahomed Valá carimbou a recomendação da sua equipa e aconselhou o governador a seguir os mesmos termos.

Assim, por despacho de 25 de Novembro de 2005, o Governador de Gaza, Djalma Lourenço assinou o despacho com o seguinte teor: “revogo o DUAT em nome de À Pérola Lda, ao abrigo do artigo 18 da lei de Terras, conjugado com o artigo 30 do regulamento da mesma lei.”
No mesmo despacho, Djalma Lourenço dizia que o governo provincial sob proposta da Comissão Provincial de avaliação e Alienação de Bens de Estado, decidiria sobre o destino a dar às benfeitorias revertidas a favor do Estado, sem no entanto, se pôr em causa os direitos dos possíveis proprietários das casas já construídas.

Batalha Judicial

Depois da comunicação do acto da revogação do DUAT, as duas entidades em litígio iniciaram um conjunto de diligências junto às entidades judiciais a fim de ver os seus direitos salvaguardados.
Representado pelo Ministério Público, o Estado moçambicano, através da DPAG, intentou uma acção junto ao Tribunal Judicial da Província de Gaza (TJPG) no sentido desta entidade dar luz verde ao Estado para proceder o registo de imóveis implantados na parcela anteriormente pertencente à sociedade À Pérola Lda, a favor do Estado.

Por sua vez, a sociedade À Pérola Lda interpôs um recurso contencioso junto ao Tribunal Administrativo solicitando a suspensão do acto de revogação do DUAT assinado pelo governador provincial alegando que o fundamento governamental não era convincente e que violava gravemente a lei.
Porém, na sentença proferida no dia 06 de Junho de 2011, a Primeira Secção Cível do TJPG chumbou o pedido do executivo de registar os imóveis em nome do Estado tendo para tal apelidado de nulo o processo e por via disso absolvia a ré À Pérola Lda.

Inconformado com a decisão do juiz de Gaza, o Ministério Público recorreu da sentença e interpôs um recurso junto ao Tribunal Supremo. Neste momento o processo de registo de imóveis a favor do Estado moçambicano está a correr os seus trâmites no Supremo.
O requerimento da sociedade À Pérola Lda, pedindo a suspensão do acto do governador, também está a correr junto ao Plenário do Tribunal Administrativo.

“Assalto” ao complexo turístico

La Perla é o nome do complexo turístico da sociedade À Pérola Lda. A estância viveu momentos conturbados entre sexta e sábado passados.
O episódio começou na tarde da segunda-feira, 11 de Julho, quando uma equipa conjunta das direcções provinciais de Agricultura e Turismo se fez ao local para intimar os gestores do complexo no sentido destes abandonarem as instalações num prazo de cinco dias, contados a partir daquela data.
Equivocados com a situação, os gestores do complexo tentaram contactar, sem sucesso, o governo de Gaza, para que este explicasse as motivações daquela decisão, sobretudo numa altura em que o processo está a seguir os seus trâmites legais junto aos Tribunais Supremo e Administrativo.

Na sua argumentação, as nossas fontes disseram que, os gestores de La Perla tentaram convencer as autoridades governamentais de Gaza de que ao praticar aqueles actos estavam a entrar em ilegalidades, factos condenados num regime de Estado de Direito. Ademais, dizem as nossas fontes que as ordens de execução do acto do governador deveriam vir do Tribunal, que é a instância competente para dirimir o litígio, e não do Governo por ser a parte interessada e por este ter também um processo a correr no Tribunal Supremo pelo facto do TJPG ter chumbado o seu pedido.

Contudo, contra todas as expectativas na manhã da sexta-feira, 15 de Julho, o complexo La Perla foi invadido por um contingente policial fortemente armado. Ao que apurámos, a acção das autoridades governamentais ficou a dever-se a investigação que o SAVANA estava a desenvolver sobre esta intricada matéria.
Compostos por forças de Intervenção Rápida (FIR) e da polícia da protecção, os homens da lei e ordem acompanhavam os técnicos da Agricultura e Turismo que se fizeram ao local com ordens de despejar todas as pessoas que se encontravam no recinto, trocar fechaduras das casas lá existentes e barrar o acesso às instalações.
Para tal, as autoridades governamentais deram um prazo de 24 horas aos trabalhadores do complexo para que retirassem das 13 casas todos os bens lá existentes e que depois disso, mais ninguém podia aceder as instalações. O complexo ficou a guarda da força conjunta da FIR e de protecção movimentada a partir da cidade de Xai-Xai.
Até às primeiras horas da manhã do sábado, os trabalhadores do complexo estavam engajados na retirada de bens. Disseram-nos que estavam naquela operação a mais de 24 horas, sem descanso e muito menos uma refeição.

Aliás, os agentes policiais escalados para a operação também se queixavam das condições em que se encontravam.
Disseram-nos que estavam nos seus postos de trabalho como é habitual quando foram surpreendidos com a informação superior de que deviam se deslocar ao distrito de Bilene para uma operação. Na altura em que o SAVANA escalou o referido complexo, os agentes estavam há mais de 24 horas desprovidos de meios de higiene pessoal, roupas alternativas entre outros bens essenciais. Consta-nos ainda que para se alimentar, em alguns momentos tiveram que recorrer aos bens alimentícios dos proprietários das casas que estavam a ser encerradas.

Augusto Mula, gerente do complexo, foi uma das pessoas que conversou com o SAVANA a cerca do “filme” que estava a ser exibido pelos agentes da Polícia da República de Moçambique. Mula disse-nos que não via a razão do governo de Gaza movimentar aquele contingente, a partir de Xai-Xai (dista a 94 quilómetros) na medida em que não havia nada que pudesse pôr em causa a integridade dos funcionários.
A preocupação de Mula na altura prendia-se com o facto das autoridades terem ordenado a retirada de bens das casas para o relento sabendo-se que parte das coisas são sensíveis e o risco de furtos era enorme.
“Se bem que eles queriam nos retirar deste local tudo bem. Eles tem todo o poder porque têm força. Mas deviam deixar as coisas que estão dentro das casas mesmo que as mantenha trancadas e dar tempo aos respectivos donos para vir remover os seus bens com calma”, disse acrescentando que todas as casas que se encontravam, dentro do complexo não eram da pertença da sociedade em virtude desta as ter vendido a particulares. Ou seja, os donos das casas arcaram com as consequências por tabela, mas não são parte do litígio.

Arrogância das autoridades

No passado dia 14 de Julho a reportagem do SAVANA deslocou-se à cidade de Xai-Xai mais concretamente nas direcções provinciais de Turismo e de Agricultura de Gaza. Na direcção do Turismo o nosso jornal foi informado que o director, Roque Silva, tinha se deslocado ao distrito de Chibuto no quadro dos preparativos da recepção da Primeira dama, Maria da Luz Guebuza que esta semana visita a província.
Já na direcção da Agricultura, o secretário do director disse que este andava ocupado mas que podia nos receber mais tarde. Ficámos até a hora combinada mas o director, Ernesto Paulino, nunca mais teve tempo para nos receber. O secretário agendou o encontro para dia seguinte mas, para a nossa infelicidade o director estava também ocupado.

Na manhã do Sábado voltámos à província e na estância em alusão encontrámo-nos com os dois titulares (Agricultura e Turismo). Tentámos junto destas figuras obter os contornos do processo que culminou com o despejo do La Perla. Entretanto, nenhum dos dois dirigentes aceitou explicar as reais circunstâncias da acção de despejo. Mesmo com várias insistências feitas pela nossa reportagem, os dois dirigentes apenas disseram que não tinham nada a comentar sobre o assunto.
Atitudes estranhas

A atitude arrogante do governo de Gaza, bem como o desprezo às instancias judiciais são entendidos por algumas correntes do meio forense e político gazense como sendo estranhas.
Aliás, o facto da parcela em causa se localizar numa zona nobre e privilegiada da praia de Bilene tem despertado muita cobiça da parte de vários meios influentes na política moçambicana. Basta dizer que o complexo La Perla localiza-se a menos de 100 metros da luxuosa mansão do presidente da República, Armando Guebuza e ao lado do complexo Humula II, um grupo hoteleiro com fortes ligações à família do então presidente da República, Joaquim Chissano.

Nesta guerra, as pessoas próximas do assunto questionam também o silêncio de Belmiro Malate, já que este faz parte da sociedade com 50% das acções. Dizem que não se percebe que seja Abraham Bruwer sozinho a “lutar” com as autoridades à busca da razão e o outro sócio se manter calado.
“Estou fora da sociedade”, Belmiro Malate
Na tarde desta quarta-feira, o SAVANA contactou a partir de Maputo, o embaixador de Moçambique no Japão, Belmiro Malate tendo este nos dito que está desligado do seu sócio há mais de sete anos.

De acordo com Malate, a cisão entre ele e o seu sócio, na sociedade À Pérola Lda, começa a desenhar-se na altura em que saiu de Moçambique. Malate precisou que o seu companheiro no negócio, apercebendo-se da sua ausência do país, protagonizou um conjunto de actos que violam a legislação moçambicana.
A partir do estrangeiro onde se encontrava em missão de serviço, Malate diz que tentou persuadir o seu sócio no sentido deste respeitar a legislação moçambicana mas este ignorou-o.
“Para não ser confundido com os actos do meu sócio optei por me desligar do projecto. Ainda não formalizei a cisão porque o meu sócio nunca quis colaborar”, disse acrescentando que sempre que está em Moçambique de férias este desaparece de circulação e nunca cria condições para se encontrarem.
Sobre a revogação do DUAT o nosso interlocutor referiu que soube de terceiros porém, nada podia fazer por não ser o seu carácter compactuar com questões que chocam com a lei.

SAVANA – 22.07.2011

Back To Top PM Quote Reply

 Posted: Mon Aug 4th, 2014 12:22 am
  PM Quote Reply
75th Post
Carlos Nando
Member
 

Joined: Mon Jul 28th, 2014
Location: Johannesburg, South Africa
Posts: 6
Equipment: none
Best Catch: none
Favorite Fishing Spot: none
Boat: Infanta 7.5
Club: None
Status: 
Offline
Mana: 
Looks like buying property in Moz, is a risky business.
Even with a legal DUAT tourism project, one still needs to know the conditions of the DUAT.

I have been searching and found cases where the government have repossessed properties because they failed to meet the agreed DUAT requirements - ie build the agreed number of houses in the allocated time period, as in the case of the "La Perla" development in Bilene, and a certain Bruwer, which a lot of people say he was acting illegally, however a Moz report that I found, tell a more complicated story.

Basically, If a developer fails to meet the conditions under which the DUAT was granted, the DUAT can be revoked, and the development attached - ie government takes back the land and its improvements.

All of the "La Perla" investors lost their money.
The article claims that even though the developer (Bruwer) won the court case to have the DUAT cancellation set aside, the Gaza government then took the case to the supreme court and proceeded with the attachment of the land and improvements, before the supreme court ruled on the matter.
Maybe there were other reasons.

It appear that Malate (Bruwer Moz partner, and current ambassador in Japan), had the land for 5 years but built nothing, and when Bruwer and Malate got together they only built approx 10 houses, and they were supposed to have built 51 houses, as per DUAT conditions.

When the government officials were questioned by the Moz reporters, they refused to comment, which is worrying.

This means that before one buys into any development, one needs to read all the development documents carefully.

See below the article in Portuguese



Governo usurpa funções dos Tribunais

Numa atitude de arrogância e despotismo o executivo de Gaza antecipou-se aos tribunais e mandou executar uma acção que aguarda decisão do TS e TA

Por Raul Senda (texto) e Naíta Ussene (fotos)

O Governo da província de Gaza acaba de “pontapear” o preceito constitucional que define o princípio de separação de poderes, e ordenou a execução da ordem de encerramento de uma estância turística na praia de Bilene onde é protagonista Belmiro Malate, o actual embaixador moçambicano no Japão, mesmo antes da decisão judicial das instâncias onde o litígio está a ser dirimido.

Trata-se de uma sociedade denominada “À Pérola Lda” que na última sexta-feira, 15 de Julho, viu os seus acessos barrados, portas trancadas e todos os trabalhadores escorraçados para fora do complexo. Os actos foram protagonizados por técnicos das direcções provinciais de Agricultura e de Turismo acompanhados por um forte contingente policial constituído por agentes da Força de Intervenção Rápida e da polícia de protecção.

A ordem do encerramento do complexo “La Perla” verifica-se numa altura em que o litígio envolvendo o governo de Gaza e os sócios de “À Pérola Lda” está a correr os seus trâmites legais no Tribunal Supremo (TS), bem como no Tribunal Administrativo (TA). Nessa senda, o governo de Gaza preferiu antecipar-se às instâncias competentes para a resolução daquele tipo de litígios e mandou os sócios do complexo La Perla abandonarem o empreendimento, desperdiçando um investimento de cerca de cinco milhões de randes, ou seja, 20 milhões de meticais e atirando mais de três dezenas de moçambicanos para o desemprego.
Génese do imbróglio

O “filme”, cujo desenvolvimento está a ser dramático nos últimos dias, começa em Abril de 1997 quando uma sociedade denominada Invesco Lda, representada por Belmiro Malate (Actual embaixador de Moçambique no Japão) requereu junto ao governo de Gaza, a concessão de uma parcela de terra para o desenvolvimento de actividades turísticas no posto Administrativo da Praia de Bilene.

Soube o SAVANA que o pedido teve parecer favorável e o governo de Gaza concedeu dois hectares à sociedade Invesco Lda para fins acima citados.
Em 2004, a Invesco volta a requerer ao governador da província a mudança do registo do Direito de Uso e Aproveitamento de Terra (DUAT) a favor da Sociedade À Pérola Lda. Mais uma vez, o pedido teve resposta positiva e os Serviços Provinciais de Geografia e Cadastro procederam a mudança do DUAT.
Consta-nos que o plano de exploração submetido ao governo de Gaza bem como ao Ministério de Comércio e Turismo (MICTUR), na altura, previa a demarcação e preparação do terreno sem pôr em causa a natureza, construção de 51 casas entre outras benfeitorias em prol da indústria turística.

Em Julho de 2005, o Estado moçambicano, personificado pela direcção Provincial de Agricultura de Gaza (DPAG), ordenou uma vistoria à zona e constatou que, desde 1997 até aquele momento (2005), os promotores da iniciativa ainda não tinham cumprido com as suas obrigações mormente, a demarcação do terreno, tinham erguido apenas 10 casas, faltando 41 e o projecto inicial tinha sido totalmente alterado.

Dessa forma, a vistoria concluiu que o plano de exploração não tinha sido cumprido (violação do número 1 do artigo 18 da lei de Terras) bem como o incumprimento de prazos de demarcação, facto que violava grosseiramente o artigo 30 do Regulamento da lei de Terras.

Lembre-se que a Invesco Lda de Belmiro Malate ficou com o DUAT durante sete anos (1997 - 2004) sem fazer nenhum investimento devido a dificuldades financeiras. Para salvar-se optou por constituir nova sociedade com um cidadão sul-africano de nome Abraham Bruwer. Foi dessa operação que surgiu a sociedade À Pérola Lda.
As 10 casas que a vistoria da direcção provincial de Agricultura foi encontrar em 2005 resultaram do investimento da sociedade À Pérola Lda.

Revogação do DUAT

Face aos dados constatados na visita ao terreno concedido À Pérola Lda, os técnicos de Geografia e Cadastro de Gaza propuseram às entidades competentes a revogação do DUAT por motivos acima referidos para além de dar o tratamento devido aos bens inamovíveis erguidos na parcela em causa.
Perante estes factos e de acordo com o relatório dos técnicos, o então director provincial de Agricultura, Mahomed Valá carimbou a recomendação da sua equipa e aconselhou o governador a seguir os mesmos termos.

Assim, por despacho de 25 de Novembro de 2005, o Governador de Gaza, Djalma Lourenço assinou o despacho com o seguinte teor: “revogo o DUAT em nome de À Pérola Lda, ao abrigo do artigo 18 da lei de Terras, conjugado com o artigo 30 do regulamento da mesma lei.”
No mesmo despacho, Djalma Lourenço dizia que o governo provincial sob proposta da Comissão Provincial de avaliação e Alienação de Bens de Estado, decidiria sobre o destino a dar às benfeitorias revertidas a favor do Estado, sem no entanto, se pôr em causa os direitos dos possíveis proprietários das casas já construídas.

Batalha Judicial

Depois da comunicação do acto da revogação do DUAT, as duas entidades em litígio iniciaram um conjunto de diligências junto às entidades judiciais a fim de ver os seus direitos salvaguardados.
Representado pelo Ministério Público, o Estado moçambicano, através da DPAG, intentou uma acção junto ao Tribunal Judicial da Província de Gaza (TJPG) no sentido desta entidade dar luz verde ao Estado para proceder o registo de imóveis implantados na parcela anteriormente pertencente à sociedade À Pérola Lda, a favor do Estado.

Por sua vez, a sociedade À Pérola Lda interpôs um recurso contencioso junto ao Tribunal Administrativo solicitando a suspensão do acto de revogação do DUAT assinado pelo governador provincial alegando que o fundamento governamental não era convincente e que violava gravemente a lei.
Porém, na sentença proferida no dia 06 de Junho de 2011, a Primeira Secção Cível do TJPG chumbou o pedido do executivo de registar os imóveis em nome do Estado tendo para tal apelidado de nulo o processo e por via disso absolvia a ré À Pérola Lda.

Inconformado com a decisão do juiz de Gaza, o Ministério Público recorreu da sentença e interpôs um recurso junto ao Tribunal Supremo. Neste momento o processo de registo de imóveis a favor do Estado moçambicano está a correr os seus trâmites no Supremo.
O requerimento da sociedade À Pérola Lda, pedindo a suspensão do acto do governador, também está a correr junto ao Plenário do Tribunal Administrativo.

“Assalto” ao complexo turístico

La Perla é o nome do complexo turístico da sociedade À Pérola Lda. A estância viveu momentos conturbados entre sexta e sábado passados.
O episódio começou na tarde da segunda-feira, 11 de Julho, quando uma equipa conjunta das direcções provinciais de Agricultura e Turismo se fez ao local para intimar os gestores do complexo no sentido destes abandonarem as instalações num prazo de cinco dias, contados a partir daquela data.
Equivocados com a situação, os gestores do complexo tentaram contactar, sem sucesso, o governo de Gaza, para que este explicasse as motivações daquela decisão, sobretudo numa altura em que o processo está a seguir os seus trâmites legais junto aos Tribunais Supremo e Administrativo.

Na sua argumentação, as nossas fontes disseram que, os gestores de La Perla tentaram convencer as autoridades governamentais de Gaza de que ao praticar aqueles actos estavam a entrar em ilegalidades, factos condenados num regime de Estado de Direito. Ademais, dizem as nossas fontes que as ordens de execução do acto do governador deveriam vir do Tribunal, que é a instância competente para dirimir o litígio, e não do Governo por ser a parte interessada e por este ter também um processo a correr no Tribunal Supremo pelo facto do TJPG ter chumbado o seu pedido.

Contudo, contra todas as expectativas na manhã da sexta-feira, 15 de Julho, o complexo La Perla foi invadido por um contingente policial fortemente armado. Ao que apurámos, a acção das autoridades governamentais ficou a dever-se a investigação que o SAVANA estava a desenvolver sobre esta intricada matéria.
Compostos por forças de Intervenção Rápida (FIR) e da polícia da protecção, os homens da lei e ordem acompanhavam os técnicos da Agricultura e Turismo que se fizeram ao local com ordens de despejar todas as pessoas que se encontravam no recinto, trocar fechaduras das casas lá existentes e barrar o acesso às instalações.
Para tal, as autoridades governamentais deram um prazo de 24 horas aos trabalhadores do complexo para que retirassem das 13 casas todos os bens lá existentes e que depois disso, mais ninguém podia aceder as instalações. O complexo ficou a guarda da força conjunta da FIR e de protecção movimentada a partir da cidade de Xai-Xai.
Até às primeiras horas da manhã do sábado, os trabalhadores do complexo estavam engajados na retirada de bens. Disseram-nos que estavam naquela operação a mais de 24 horas, sem descanso e muito menos uma refeição.

Aliás, os agentes policiais escalados para a operação também se queixavam das condições em que se encontravam.
Disseram-nos que estavam nos seus postos de trabalho como é habitual quando foram surpreendidos com a informação superior de que deviam se deslocar ao distrito de Bilene para uma operação. Na altura em que o SAVANA escalou o referido complexo, os agentes estavam há mais de 24 horas desprovidos de meios de higiene pessoal, roupas alternativas entre outros bens essenciais. Consta-nos ainda que para se alimentar, em alguns momentos tiveram que recorrer aos bens alimentícios dos proprietários das casas que estavam a ser encerradas.

Augusto Mula, gerente do complexo, foi uma das pessoas que conversou com o SAVANA a cerca do “filme” que estava a ser exibido pelos agentes da Polícia da República de Moçambique. Mula disse-nos que não via a razão do governo de Gaza movimentar aquele contingente, a partir de Xai-Xai (dista a 94 quilómetros) na medida em que não havia nada que pudesse pôr em causa a integridade dos funcionários.
A preocupação de Mula na altura prendia-se com o facto das autoridades terem ordenado a retirada de bens das casas para o relento sabendo-se que parte das coisas são sensíveis e o risco de furtos era enorme.
“Se bem que eles queriam nos retirar deste local tudo bem. Eles tem todo o poder porque têm força. Mas deviam deixar as coisas que estão dentro das casas mesmo que as mantenha trancadas e dar tempo aos respectivos donos para vir remover os seus bens com calma”, disse acrescentando que todas as casas que se encontravam, dentro do complexo não eram da pertença da sociedade em virtude desta as ter vendido a particulares. Ou seja, os donos das casas arcaram com as consequências por tabela, mas não são parte do litígio.

Arrogância das autoridades

No passado dia 14 de Julho a reportagem do SAVANA deslocou-se à cidade de Xai-Xai mais concretamente nas direcções provinciais de Turismo e de Agricultura de Gaza. Na direcção do Turismo o nosso jornal foi informado que o director, Roque Silva, tinha se deslocado ao distrito de Chibuto no quadro dos preparativos da recepção da Primeira dama, Maria da Luz Guebuza que esta semana visita a província.
Já na direcção da Agricultura, o secretário do director disse que este andava ocupado mas que podia nos receber mais tarde. Ficámos até a hora combinada mas o director, Ernesto Paulino, nunca mais teve tempo para nos receber. O secretário agendou o encontro para dia seguinte mas, para a nossa infelicidade o director estava também ocupado.

Na manhã do Sábado voltámos à província e na estância em alusão encontrámo-nos com os dois titulares (Agricultura e Turismo). Tentámos junto destas figuras obter os contornos do processo que culminou com o despejo do La Perla. Entretanto, nenhum dos dois dirigentes aceitou explicar as reais circunstâncias da acção de despejo. Mesmo com várias insistências feitas pela nossa reportagem, os dois dirigentes apenas disseram que não tinham nada a comentar sobre o assunto.
Atitudes estranhas

A atitude arrogante do governo de Gaza, bem como o desprezo às instancias judiciais são entendidos por algumas correntes do meio forense e político gazense como sendo estranhas.
Aliás, o facto da parcela em causa se localizar numa zona nobre e privilegiada da praia de Bilene tem despertado muita cobiça da parte de vários meios influentes na política moçambicana. Basta dizer que o complexo La Perla localiza-se a menos de 100 metros da luxuosa mansão do presidente da República, Armando Guebuza e ao lado do complexo Humula II, um grupo hoteleiro com fortes ligações à família do então presidente da República, Joaquim Chissano.

Nesta guerra, as pessoas próximas do assunto questionam também o silêncio de Belmiro Malate, já que este faz parte da sociedade com 50% das acções. Dizem que não se percebe que seja Abraham Bruwer sozinho a “lutar” com as autoridades à busca da razão e o outro sócio se manter calado.
“Estou fora da sociedade”, Belmiro Malate
Na tarde desta quarta-feira, o SAVANA contactou a partir de Maputo, o embaixador de Moçambique no Japão, Belmiro Malate tendo este nos dito que está desligado do seu sócio há mais de sete anos.

De acordo com Malate, a cisão entre ele e o seu sócio, na sociedade À Pérola Lda, começa a desenhar-se na altura em que saiu de Moçambique. Malate precisou que o seu companheiro no negócio, apercebendo-se da sua ausência do país, protagonizou um conjunto de actos que violam a legislação moçambicana.
A partir do estrangeiro onde se encontrava em missão de serviço, Malate diz que tentou persuadir o seu sócio no sentido deste respeitar a legislação moçambicana mas este ignorou-o.
“Para não ser confundido com os actos do meu sócio optei por me desligar do projecto. Ainda não formalizei a cisão porque o meu sócio nunca quis colaborar”, disse acrescentando que sempre que está em Moçambique de férias este desaparece de circulação e nunca cria condições para se encontrarem.
Sobre a revogação do DUAT o nosso interlocutor referiu que soube de terceiros porém, nada podia fazer por não ser o seu carácter compactuar com questões que chocam com a lei.

SAVANA – 22.07.2011

Back To Top PM Quote Reply  

 Posted: Mon Aug 4th, 2014 08:16 am
  PM Quote Reply
76th Post
Malboer
Member


Joined: Mon Nov 18th, 2013
Location: Matola, Mozambique
Posts: 341
Equipment: Daiwa Sealine sl Reels, Shimano Beastmaster rods
Best Catch:  YFT 20KG Couta 20Kg GT 15KG
Favorite Fishing Spot:  Millibangalala
Boat: Stealth Pro fisha 575
Club: Malboer @ Wahoo.please
Status: 
Offline
Mana: 
Hi Carlos

Been farming in Moz for 8 years now no probs.

Yes very important to meet all agreements made.

We had to build a clinic and a comunity hall for the locals. even had to change our name because after 2 years we did not produce the product we started off with. the switch was a hassel but can be done.

Yes look carefully and plan and do according to agreement.

Cheers
Malboer

Back To Top PM Quote Reply

 Posted: Tue Aug 5th, 2014 12:08 pm
  PM Quote Reply
77th Post
Carlos Nando
Member
 

Joined: Mon Jul 28th, 2014
Location: Johannesburg, South Africa
Posts: 6
Equipment: none
Best Catch: none
Favorite Fishing Spot: none
Boat: Infanta 7.5
Club: None
Status: 
Offline
Mana: 
The problem is that you got to look at it as short to med term investment.
Firstly, you need to comply with the initial provisional DUAT. If you were able to stick to the plan, you then can get a 50 year DUAT. If they like like you, they might extended it for another 50 years. And then ?
All reverts back to the state.

You got to make your profit and move out. No security for long term investment. It is not the same as building a business that can last for generations. We need to plan with that in mind.

Back To Top PM Quote Reply  


Current time is 12:24 pm Page:  First Page Previous Page  1  2  3  4     
SEALINE - South African Angling and Boating Community > General Angling Topics > S.A Fishing Venues/Accommodation - Coastal/Inland > Property in Mozambique Top